Aumente em até 40% o ticket médio do seu restaurante!

Conheça o oimenu

Por que você deve investir no ramo alimentício?

Conheça mais sobre o ramo alimentício e suas características, como empreender no setor e quais as maiores empresas dessa área no Brasil.

Compartilhe

Ramo alimentício

Antes de investir no ramo alimentício, é importante entender quais são suas competências, quanto você pode aplicar financeiramente e o que pretende alcançar com um empreendimento nessa área.

Inclusive, o primeiro passo é estudar esse mercado. Você vai perceber que existem muitas possibilidades diferentes para apostar e poderá escolher qual se adequa mais ao que você procura e deseja.

Vamos entender mais?

O que é ramo alimentício

No Brasil, pode até não ser tão fácil começar a empreender no setor alimentício, mas esse com certeza é um ramo bastante promissor. Isso porque a alimentação é uma necessidade básica do ser humano e, mesmo em tempos de crise, todos precisam alimentar-se.

Por ter essa característica essencial, costumamos dizer que, em qualquer lugar do planeta, o ramo alimentício é o último a entrar e o primeiro a sair da crise. Mas é claro que também existe concorrência nesse mercado e quem não oferece um bom produto e serviço, fica para trás.

Segundo dados da ABIA - Associação Brasileira da Indústria de Alimentos, essa indústria é a maior do País, pois representa 10,6% do PIB do Brasil e gera 1,72 milhão de empregos formais e diretos. Nosso País também é o segundo maior exportador de alimentos industrializados do mundo, presente em 190 países.

Em geral, esse ramo fornece alimentos de qualidade, seguros e sustentáveis, além de investir de maneira constante em tecnologia e inovação para atender tanto o crescimento da população quanto os mais variados estilos de vida.

Como empreender na área da alimentação

Se você deseja investir no ramo alimentício e quer definir se essa é uma boa ideia, listamos algumas informações importantes para refletir antes de começar.

1.  Escolha o segmento alimentício

Se você está se perguntando qual ramo alimentício dá mais dinheiro, essa não é a pergunta certa. Existe uma grande variedade de segmentos para escolher, mas o ideal é pensar além dos lucros e avaliar tendências de mercado.

Entre as tendências para a gastronomia para este ano estão o investimento em restrições alimentares, orgânicos, probióticos, take away, ambientes instagramáveis e até mesmo no conceito comfort food, ligado a questões afetivas - alimentos associados a pessoas ou a um tempo significativo da vida, por exemplo.

Para ficar por dentro das novidades, você pode conferir pesquisas e relatórios, como é o caso do Global Taste Trends, relatório da Kerry, empresa líder mundial em Taste and Nutrition - Sabor e Nutrição - que analisa como as tendências de sabores estão se manifestando no mundo todo e ganhando vida pela inovação de produtos.

O site disponibiliza relatórios por continente, em inglês, mas existe um arquivo chamado “Taste_TasteTrends_2021_PT” que está em português, com dados da América Latina.

Estude bastante, mas tenha certeza de que a dica maior aqui é escolher o segmento com o qual você tem mais afinidade, pois empreender exige dedicação e paixão.

2.  Defina qual vai ser seu diferencial

Com o segmento escolhido, você vai precisar de um diferencial inovador. Como dissemos no início, a concorrência é grande e, como em qualquer ramo que se queira empreender, aqui você também vai precisar inovar para conquistar clientes e garantir seu espaço no mercado.

Por ser uma área que atende uma necessidade básica, também temos muitos empreendimentos que só entregam o básico. É por isso que encontramos negócios bastante parecidos uns com os outros. E você não pode investir na área para ser somente mais um entre vários, não é?

Pense em tipos de restaurantes e em quem vai ser o seu cliente: como oferecer um serviço e um atendimento diferenciados para essas pessoas, que façam com que elas gostem e queiram voltar para viver essa experiência com a sua marca.

3.  Monte seu plano de negócios

Empreender não é moleza, não! Depois dessas definições iniciais, é essencial que você tenha um plano de negócios para nortear como implementar tudo. É nesse plano que são definidas as bases que precisam ser pensadas antes de colocar a mão na massa:

  • Qual será seu investimento financeiro
  • Qual será o capital de giro
  • Quem será a concorrência
  • Qual será seu público-alvo
  • Quem serão seus fornecedores
  • Quais serão seus equipamentos
  • Qual será seu plano de marketing
  • Qual é a viabilidade de implementar o negócio

4.  Implemente seu negócio

Depois de passar por todos esses passos que, apesar de serem apenas três, podem levar um bom tempo - e não economize tempo para estruturar muito bem o que você quer -, vai chegar a hora de colocar tudo em prática.

E aqui entra aquela parte chata de ir atrás de toda a documentação necessária para abrir sua empresa e outros detalhes, desde como encontrar o ponto do estabelecimento, caso ele seja físico, ou como hospedar um site, se o negócio for online, até contratar uma equipe de atendimento qualificada e fazer a compra de equipamentos, por exemplo.

Maiores empresas do ramo alimentício no Brasil

Para finalizar, afirmamos que esse é um setor promissor pelo simples motivo de termos empresas do ramo alimentício que prosperam justamente por produzir alimentos presentes nos lares, restaurantes e bares brasileiros.

No pódio de segmentos da lista de bilionários brasileiros da Forbes, o ramo alimentício está bem representado. Em terceiro lugar entre as áreas listadas, 19 dos 315 superricos que integram o ranking de 2021 fizeram suas fortunas em empresas de alimentação.

O nome de destaque da lista é o de Abílio dos Santos Diniz, na 17ª posição. Aos 84 anos, o empresário é ex-dono do Pão de Açúcar e investe em empresas nacionais fechadas, como a startup de vinhos Wine.com e a rede de padarias Benjamin. Ele também é sócio do Carrefour. Sua fortuna é calculada em R$ 15,6 bilhões.

Joesley e Wesley Mendonça Batista, filhos do fundador da JBS, José Batista Sobrinho, empresa que opera o processamento de carnes bovinas, suínas, ovinas e de frango, também aparecem na 24ª posição, cada um com R$ 13,95 bilhões.

Por fim, a empresa de alimentos M. Dias Branco, companhia que produz, comercializa e distribui biscoitos, bolos, farinha de trigo, massas, lanches, margarinas e gorduras vegetais, também merece destaque na lista da Forbes: apesar de não aparecerem em posições altas, seis nomes cuja fortuna aconteceu por meio da organização estão lá.

Inspirador, não é mesmo? Esperamos que este artigo tenha ajudado a clarear as suas ideias sobre como o ramo alimentício pode ser uma bela porta de entrada para o mundo do empreendedorismo, desde que o investimento seja feito com responsabilidade. Compartilhe para inspirar mais pessoas!

Transforme o seu cardápio em uma poderosa ferramenta de vendas

Ebook enviado com sucesso!

Agora você pode ler este ebook sempre que quiser. Agradecemos o interesse.

Deixe seu comentário

Conheça o oimenu

Saber mais